O Juiz Federal César Jatahy Fonseca, em substituição no Tribunal Regional Federal da Primeira Região, mandou soltar nesta semana o empresário Elias Eliseu Persch. Ele atendeu pedido liminar apresentado pela defesa do empresário.

Na decisão, o magistrado afirmou que os fatos atribuídos ao acusado são antigos e não justificaria a prisão.

A base do pedido da prisão provisória, atendido pela Juíza Federal Monique Martins Saraiva, da 2ª Vara de Ji-Paraná/RO, foi no sentido de que o empresário é “proprietário da Contrate Terraplanagem, uma das empresas executoras das obras de saneamento básico no município. Na condição de primo do falecido ex-prefeito Neuri Persch, apontado como líder da ORCRIM, o investigado teria sido beneficiado com o direcionamento das licitações. Entre as condições impostas por NeuriI à empresa Coenco, vencedora do certame, estaria a utilização de maquinários pesados de seus parentes e amigos na obra licitada”.

O advogado Tony Pablo afirmou que seu cliente “apenas firmou contrato com a empresa “Coenco”, vencedora de licitação em Andreazza, para a prestação do serviço de terraplanagem, venda de areia e brita, conforme documentos comprobatórios e os depoimentos unânimes dos envolvidos, não possuindo o empresário Elias Eliseu Persch nenhum envolvimento com fraude a licitação, já que ele não participou de licitações ou realizou contratos com a administração pública municipal na época em que seu primo foi prefeito, limitando-se a prestar serviços contratados por empresas particulares de forma completamente legal”.

Autor/Matéria:

Portal

Diário da Amazônia