Com mais de dois meses sem óbitos por Covid-19, Ji-Paraná registra uma queda de mais de 92% no número de mortes provocadas pela doença. Internações no Hospital Municipal Dr. Claudionor Couto Roriz também registraram redução, em comparação aos números de 2021.

De 1º de janeiro a 31 de maio do ano passado, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) registrou 11.916 casos da doença, com 377 óbitos. Neste período, a taxa de letalidade foi de 3,16%. Em 2022, entre janeiro e maio, o número de casos foi de 10.793, com 29 mortes provocadas pela doença, reduzindo a taxa de letalidade para 0,26%.

O número de pacientes internados no Hospital Municipal também caiu. Em abril do ano passado, o HM chegou a registrar 90 pacientes em tratamento contra a doença. Nesta quinta-feira (2), um homem de 78 anos e uma mulher com 92 estão internados.

A secretária municipal de Saúde, Wanessa Oliveira e Silva, associou a grande queda no registro de óbitos ao avanço da vacinação em Ji-Paraná. Desde o início da campanha, em janeiro de 2021, mais de 220 mil doses das vacinas foram aplicadas.

Mais de 90% da população com 12 anos ou mais já recebeu a primeira dose das vacinas contra a Covid. A segunda dose foi aplicada em cerca de 80% dos moradores de Ji-Paraná e a dose de reforço foi administrada em 30% dos ji-paranaenses.

“Hoje a procura pela vacina também diminuiu, mas foi graças ao avanço da imunização que conseguimos reduzir os casos de óbitos em nosso município. Foi um esforço em conjunto, da população que buscou se vacinar e do trabalho de todos os servidores e também dos voluntários”, destacou Wanessa.

A vacinação contra a Covid segue disponível, de segunda a sexta-feira, em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) urbanas. O atendimento acontece das 8h às 11h e das 14h às 17h, de segunda a quinta, e das 8h às 13h, às sextas-feiras.

“Também realizamos ações pontuais, com a vacinação no shopping e em supermercados, além de ações itinerantes, como o ‘Proteção na Dose Certa’, buscando ampliar a cobertura vacinal da população”, explicou Cristiane Della Libera, diretora da Divisão de Imunização da Semusa.

Fonte/Autor:

Assessoria